Diretor parlamentar da Fenapef defende que policiais tenham garantias durante ações preventivas

Marcos Avelino participou de audiência pública sobre o uso da força e da arma por policiais em atividades

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 08/12/22

O diretor parlamentar da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Marcos Avelino, participou, nesta quarta-feira (7/12), de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados que abordou o uso da força e da arma por policiais em atividades. A audiência foi convocada pelo deputado Subtenente Gonzaga.

Durante o evento Marcos Avelino defendeu a abordagem policial como instrumento de prevenção ao crime e destacou que os excessos são minoria.

“O policial é um instrumento garantidor da segurança pública e precisa, também, ter garantia para exercício da sua atividade profissional. As abordagens policiais são utilizadas em todo o mundo e são importantes instrumentos preventivos da segurança pública. Os excessos são a minoria, estão sujeitos a instrumentos legais de apuração e punição. Não se podem definir políticas públicas tendo a exceção como ponto de partida”.

A audiência pública discutiu o Projeto de Lei 199/2003, que pretende alterar o Código de Processo Penal para permitir que o arbítrio policial seja suficiente para justificar a abordagem policial. A medida, segundo o Subtenente Gonzaga, é necessária porque o Superior Tribunal de Justiça tem entendido que o arbítrio policial não é suficiente para justificar abordagens preventivas, que é necessário que haja uma investigação prévia.

“Não podemos retirar dos policiais sua prerrogativa de avaliar, no caso concreto, se a abordagem policial é ou não necessária. Estamos vivendo a esdrúxula situação de que uma denúncia anônima legitima a abordagem policial e o conhecimento do policial, que tem experiência, conhecimento sobre investigação não legitima”, explicou.

O parlamentar defendeu a existência de um protocolo de conduta para a realização das abordagens baseado na inteligência e no respeito aos Direitos Humanos que garantam a segurança do policial e a proteção da sociedade.

A existência de um marco legal que parametrize as abordagens também foi defendida por Avelino.

“Nós, na Polícia Federal, não temos denúncia de excessos em abordagens. Defendemos que a utilização das câmeras com filmagens para as abordagens policiais seja uma realidade próxima para todas as polícias. É uma segurança e um instrumento de prova. Mas, antes de tudo, precisamos de um marco legal que regulamente nossa atuação preventiva”, defendeu.

A utilização de câmeras também foi defendida pela deputada Erika Kokay. Para ela a medida protege o bom policial e coíbe os excessos.

Participaram da audiência representantes da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis, da Defensoria Pública, da Federação Nacional de Praças, da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais e da Polícia Militar de Minas Gerais.

OUTRAS NOTÍCIAS

Fenapef apresenta pautas prioritárias para Grupo Técnico da equipe de transição

Sindicato de Pernambuco promove treinamento de tiro para os veteranos

Eles têm histórias para contar: DEAIN

Escrivão da PF lotado no Ceará integra equipe que desenvolve vacina promissora contra Coronavírus