Chapa 01, presidida pelo diretor Júlio César Nunes dos Santos vence eleições do SINPEF/RS

Eleições tiveram participação recorde de sindicalizados em um pleito

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 10/08/20

A Chapa 1, presidida pelo diretor de estratégia sindical da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Júlio César Nunes do Santos, venceu as eleições para a Diretoria Executiva dos Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul (SINPEF/RS). A eleição, realizada no dia 07 de agosto, teve participação de 75% dos sindicalizados – percentual recorde para um pleito.

A Chapa 1 – JUNTOS SOMOS MAIS FORTES, tomará posse no dia 08 de setembro e assumirá a gestão 2020 a 2023. O atual presidente do SINPEF/RS e também presidente da Chapa 1, Júlio César Nunes dos Santos, parabeniza a todos os envolvidos nesta eleição, em especial aos sindicalizados “que deram um show de participação”: “Agradeço a confiança depositada em nossa chapa, numa expressão de apoio ao nosso trabalho, e também aos que votaram na Chapa 2, que irão nos fazer refletir sobre algumas medidas e caminhos a serem adotados. Certamente o sindicalismo sai mais fortalecido deste processo", disse, assim que o resultado foi anunciado.

Em sua primeira manifestação à imprensa como Presidente reeleito, Júlio César reafirmou ao jornalista Eduardo Matos, da Rádio Gaúcha, “a importância da valorização dos servidores da Polícia Federal para uma instituição cada vez mais forte no combate à corrupção e à criminalidade”.

O sistema sindical da Fenapef parabeniza o diretor Júlio César por mais esta conquista e deseja que a nova gestão seja de muito sucesso e muita luta em prol da categoria. Também se coloca à disposição para colaborar e trabalhar em conjunto na defesa das bandeiras dos policiais federais.

Com informações do SINPEF/RS

OUTRAS NOTÍCIAS

I Seminário: Saúde mental dos profissionais de segurança pública

SSDPFRJ investe no melhor da assistência jurídica

SSDPFRJ cria pioneiro departamento de medicina ocupacional e psiquiatria

SSDPFRJ 30 anos | Ex-presidente, relembra as lutas sindicais e as greves de 1994 e 2012