Pesquisa procura identificar familiaridade de policiais federais com criptomoedas

O projeto é parte do trabalho acadêmico do agente André Deccache

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 07/11/19

As criptomoedas, espécie nova de pagamento, surgiram como alternativa ao dinheiro “físico”, como alternativa às transações com os bancos e à regulamentação do Estado. O novo modelo de transações financeiras ainda traz muitas dúvidas. Há quem acredite que se trata de “coisa de hacker” e há quem sequer saiba do que, exatamente, se trata.

Para tentar identificar como o tema é percebido dentro da Polícia Federal, o agente André Deccache trabalha numa pesquisa que é parte de seu trabalho acadêmico para o Curso de Especialização em Ciências Políticas da Academia Nacional de Polícia. A ideia é analisar, de uma forma objetiva, se os “bitcoins farão ou não parte da nossa rotina de trabalho”, explica.

O autor da pesquisa, que é lotado na Paraíba, convida todos os policiais federais a participar. Basta clicar no link https://forms.gle/Fq3JHBpKgAn1ozkd8 . “Não são necessários 2 minutos para respondê-la. Se possível, envie para outros colegas. Quanto maior a participação, mais preciso se torna o resultado”, explica;

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) convida todos os colegas a participar e reforça que não haverá identificação dos participantes.

OUTRAS NOTÍCIAS

Agente Humberto Wendling lança Policiais: Coletânea 2

Da Guerra Federal para a Transnacional: lançado segundo volume da série Guerra

Pesquisa de policial federal brasileiro está entre as mais relevantes do mundo

Presidente do Sindicato da Polícia Federal do RJ qualifica sua tese de doutorado na UFF