Dia do Voluntário também é dia de Policial Federal

Ações de prevenção à violência também fazem parte da rotina da corporação

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 04/12/19

A imagem de policial como um sujeito durão, focado em seu trabalho e que executa comandos sem contestações é a mais comum na sociedade. Mas não é só do “rigor da lei” que vivem os Policiais Federais. Ações de acolhimento e trabalho social movimentam a vida de muitos deles. Fora da corporação, experiências de acolhimento, projetos sociais ou adesão a ações de voluntariado ocupam o pouco tempo livre de alguns dos homens e mulheres que integram a corporação.

No dia 05 de dezembro, o mundo comemora o Dia do Voluntariado. É uma data para pensar em uma sociedade onde quem pode, colabora para a construção e de uma nova realidade. E que prevenir a violência passa por ações efetivas. É aí que o conhecimento e a experiência do Policial Federal podem fazer a diferença.

No Espírito Santo, o Capixaba Instituto Social, presidido pelo diretor de comunicação do Sindicado dos Policiais Federais do Espírito Santo, Fabrício Sabaini, comemora dois anos de atenção a meninos de 13 a 19 anos. Por meio do futebol, são transmitidas noções de disciplina que os adolescentes levam para a vida. Mais especificamente, para o primeiro emprego. São mais de 100 jovens já atendidos.

Outro projeto, desenvolvido pelo Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Norte, levou livros e palestras de formação para os alunos estudantes de escolas estaduais na cidade de Brejinho. Eles conversaram com os adolescentes sobre drogas e os danos que elas causam à saúde e sobre os perigos de um universo muito familiar a eles: a internet.

No Piauí, há ações de conscientização sobre um dos maiores problemas da corporação: o alto índice de suicídios. Os policiais lotados na Superintendência Regional tiveram palestras e dinâmica de grupo para ajudar a enfrentar problemas como ansiedade e depressão.

Em Brasília, agentes desenvolvem um trabalho de apoio a vítimas de violência doméstica na Estrutural – uma cidade satélite a poucos quilômetros do Plano Piloto. O Distrito Federal tem os mais altos índices de violência doméstica e feminicídio do País. O projeto também busca a conscientização do agressor. O grupo também trabalha assistindo à população de rua.

Por iniciativa própria e às vezes solitárias, alguns policiais também fazem palestras, coordenam projetos sociais, auxiliam Organizações Não-Governamentais. Podem não ter visibilidade, mas acreditam estar cumprindo seu papel social. Usando o que aprenderam na corporação para modificar a vida das pessoas, dividindo experiências, falando de suas próprias vidas, acreditam que também podem contribuir para a construção de uma segurança pública mais eficiente.

Quem atua como voluntário entende seu “trabalho paralelo” como o exercício do compromisso legal da Polícia Federal com o povo brasileiro. As atribuições constitucionais da corporação incluem a prevenção ao crime. E é isso que eles estão fazendo.

OUTRAS NOTÍCIAS

Agente Humberto Wendling lança Policiais: Coletânea 2

Da Guerra Federal para a Transnacional: lançado segundo volume da série Guerra

Pesquisa de policial federal brasileiro está entre as mais relevantes do mundo

Presidente do Sindicato da Polícia Federal do RJ qualifica sua tese de doutorado na UFF