Bolsonaro assina parecer que cristaliza direito à paridade e integralidade para policiais federais

Documento foi assinado no dia do servidor aposentado, em cerimônia no Palácio do Planalto

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 17/06/20

No dia em que se homenageia o servidor público aposentado, os policiais federais e rodoviários federais finalmente podem ter a certeza do direito à integralidade e paridade das pensões e aposentadorias de quem ingressou nas corporações até a data da promulgação da Reforma da Previdência. O presidente Jair Bolsonaro assinou, nessa quarta-feira (17), o parecer da Advocacia Geral da União (AGU) que sacramenta o direito.

A assinatura foi o desfecho de uma longa batalha travada pelas Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) com o apoio dos deputados Ubiratan Sanderson (PSL-RS), Aluisio Mendes (PSC-MA) e Antônio Carlos Nicoletti (PSL-RR), entre outros. As reuniões com equipes da AGU começaram assim que as novas regras da Previdência Social entraram em vigor, em novembro do ano passado.

A elaboração do parecer foi uma das promessas do Governo para a aprovação da Reforma. Mas foram necessários muito esforço e muita união dos policiais para que ele se concretizasse.

“Apesar do atraso, a Fenapef comemora a assinatura do documento, porque isso traz tranquilidade aos policiais que ainda irão se aposentar e esclarece a questão da transição”, disse o presidente Luís Antônio Boudens. Ele acrescenta que a medida também beneficia a Diretoria de Gestão de Pessoal, que agora pode dar encaminhamento a processos de aposentadoria que foram encaminhados e estavam suspensos pela falta do normatizador.

Para Boudens, o documento também comprova a importância da união da categoria para a conquista de um benefício comum. “Como resultado, nós temos aí a tranquilidade dos policiais federais que entraram até a promulgação da emenda”.

Maratona

Foi necessária uma verdadeira maratona para que a promessa de um parecer se tornasse um documento concreto. Uma longa série de reuniões iniciadas em novembro do ano passado na AGU, audiências no Ministério da Justiça e, por fim, uma reunião com o ministro da Justiça, André Mendonça, há duas semanas, que definiu e cristalizou a situação.

No ano passado, os representantes dos policiais federais já haviam recebido a promessa de que o parecer da AGU seria editado antes da chegada de 2020, mas isso não ocorreu. Em seguida, o Ministério da Economia disse que a situação se resolveria ainda em fevereiro.

“O combinado foi que o texto da Reforma seria apreciado pelo Congresso como a alternativa possível e que, assim que a Emenda Constitucional fosse promulgada, a AGU apresentaria parecer corroborando a paridade e a integralidade de aposentadorias e pensões”, explica o diretor jurídico, Flávio Werneck.

Nova Previdência

O texto aprovado na Câmara em outubro determinou o direito à paridade e à integralidade para os policiais que vierem a se aposentar voluntariamente ao atingir 55 anos ou àqueles com 53 anos (homens) e 52 anos (mulheres), desde que cumpram o prazo que faltava para a aposentadoria em dobro. Ou seja, se faltam dois anos, terão que trabalhar mais quatro, por exemplo. Para a Fenapef, essas regras são anti-isonômicas e ferem a Constituição, porque atingem os policiais federais de forma desproporcional.

DESPACHO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA - AGU_Parecer aposentadoria policial

OUTRAS NOTÍCIAS

Profissionais da linha de frente do combate à Covid terão prioridade para receber EPIs e testes

Carteirinha não chegou? Pode baixar no aplicativo

Sindipol apresenta preocupações dos policiais federais sobre a Covid-19 ao Superintendente do DF

Funcionários da Fenapef continuam trabalhando em sistema de rodízio