Polícia Federal divulga áudios de membro de facção criminosa no Paraná

2 de Maio de 2018

A Polícia Federal de Cascavel divulgou na manhã desta quarta-feira (2), os áudios de conversas entre membros de uma facção criminosa que atuava no Paraná.

Lual Lino de Andrade, conhecido como “Pirlo”, que estava preso na Penitenciária Estadual de Londrina (PEL), era um dos principais alvos da operação Dictum, que combate o tráfico de drogas e outros crimes em todo estado.

De dentro da Penitenciária, ele mantinha conversas com outros membros e também, outras pessoas que tinham interesse em se associar ao crime, por telefone celular. As ligações foram grampeadas e divulgadas com autorização da justiça.

Devido o conteúdo dos áudios e a forma com que a facção estava organizada, Pirlo foi levado para a Penitenciária Federal de Catanduvas (PFC), em um forte esquema de segurança. A transferência de Londrina para Catanduvas aconteceu no feriado do Dia do Trabalhador, pela Polícia Federal de Cascavel.

Confira abaixo a transcrição de cada um dos áudios divulgados pela Polícia Federal:

(…)

PIRLO: você pode ter teus comercio, um bar, uma lanchonete, coloca um povinho pra trabalhar pra você, você mesmo ser dono, trabalhar de empregado você não pode, isso aí é fraqueza no COMANDO entendeu chapa?

RENEGADO: entendeu tudo.

PIRLO: você tem que viver do crime, praticar o crime, porque as vezes chega MISSÃO do COMANDO aí também, as vezes tem que ir pras pegada nervosa com os irmão aí cara (…)

(…)

PIRLO: se eu ver que não tá dando ROUBAR eu vou TRAFICAR, parçeiro do céu, vocês tão na fronteira irmão, um carro aí, um carro, um carro vale 80kg de MACONHA nessa quebrada que vocês tá véio, com 80kg de MACONHA, você tem 280 irmão dentro do estado que tem entendimento, dá pra você soltar droga em todas as regional do estado, dá pra você ter biqueira, não precisa você ter biqueira, você é fornecedor moleque.

(…)

(…)

PIRLO: porque se eu to preparado na rua, eu sei que uma hora vai chegar MISSÃO pra mim MATAR, eu sei que vai chegar missão pra mim SEQUESTRAR, não vai ser sempre uma uva, ta ligado o barato? nóis é CRIMINOSO irmão! uma hora o bagulho vai ficar louco, vocês vão ter que METER O PÉ NA PORTA de alguma cadeia, de um FÓRUM! no bagulho louco aí cara!

(…)

(…)

PIRLO: (…) Nóis é uma facção criminosa, você entendeu cara? Querendo ou não a gente tá em tempos de guerra, requer total atenção de todos os irmãos aí, tem que ser sintonia, tem que fechar em responsa, se o irmão entrar pro COMANDO JÁ NÃO VAI PODER TRABALHAR, entendeu irmão? Trabalhar de pintor, de pedreiro, fazer os bicos, isso aí já não existe, VOCÊ VAI TER QUE VIVER DO CRIME, pra você ter que comer você vai ter que roubar, ou traficar, ou praticar o crime, pra você pagar os trabalhos do comando vai ter que praticar o crime… Porque se você não praticar o crime, como que você é o comando? Porque nóis do COMANDO, nóis é o CRIME, nóis pratica o crime, só que de uma forma ORGANIZADA, você entendeu mano? Porque pra quem ta praticando o crime, pagar duzentão por mês não é nada irmão… é fortalecimento pro crime. Pagar 525 reais a cada dois meses para RF, porque ela vem dessa forma e tem que pagar (…)

(…)

PONTO 30 – É nós, irmã! É… não tive como fazer aquela condução lá, que apareceu um CV

Em nota, a Polícia Federal destaca “a capacidade lesiva da organização criminosa, responsável por inúmeros e graves crimes em todo o país. Das ordens para cometimento de assassinatos de agentes públicos à instrução sobre como operacionalizar o tráfico de drogas e perpetrar roubos, inclusive a agências bancárias, verifica-se que os delitos apenas ocorrem com autorização dos líderes da facção recolhidos em penitenciárias federais, com exceção de William Camacho, vulgo “Marcola”, pelo que a única forma de se buscar evitar o ataque a instituições públicas, como anunciado nos áudios, é o isolamento dos criminosos, garantindo-se que não tenham acesso a meios de comunicação”.

O delegado da Polícia Federal de Cascavel, em coletiva de imprensa, deve dar mais detalhes sobre os áudios e os desdobramentos da Operação Dictum.

Jornal do Oeste



Outras notícias