Nota pública – Sobre as declarações do ministro Paulo Guedes

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 13/05/21

Mais uma vez, de forma gratuita e desnecessária, assistimos ao ministro da Economia, Paulo Guedes, desferir ataques aos servidores públicos brasileiros, conjunto de trabalhadores que engloba os policiais federais e servidores da Polícia Federal.

Na audiência pública ocorrida nesta terça-feira (11), na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, em sessão que analisou a admissibilidade da Proposta de Emenda Constitucional n° 32/2020, vimos e ouvimos a repetição de uma cena que tem se tornado muito comum: o desejo do ministro de responsabilizar o servidor público pelas mazelas deste e de todos os governos anteriores. Já ouvimos antes menções jocosas e também agressivas, atribuindo a condição de parasitas e até sugerindo a colocação de granada nos bolsos dos servidores "inimigos" (dele). Dessa vez, foi adicionada a condição de potencial "militante político" aos servidores que eventualmente fossem aprovados em concurso público durante o mandato do atual Governo.

A PEC 32 criará situações insustentáveis dentro do serviço público. É só imaginar uma repartição pública onde parte dos servidores terá direito a garantias como a estabilidade e outra não. Ou uma corporação onde “trainees” terão acesso a informações que deveriam ser protegidas pelo sigilo, mas que poderão ser tranquilamente compartilhadas caso o funcionário deixe de fazer parte do quadro.

Enquanto isso, algumas categorias continuam - agora pela quarta vez - a passar ao largo da fúria do dono da chave do cofre. Não há reforma que inclua na chamada "cota de sacrifício" os militares, políticos, juízes e promotores, por exemplo.

Pedimos ao ministro que, caso deseje continuar no Governo, no comando dessa importante Pasta, utilize menos adjetivos contra o servidor brasileiro e realize mais feitos que beneficiem verdadeiramente os brasileiros, podendo começar pela redução dos preços do gás de cozinha, do combustível, da energia elétrica e do dólar. Enfim, mais propostas.

Reformar deve significar modernizar, melhorar, consertar. No momento, a ação mais sólida defendida pelo ministro Guedes, infelizmente, é atacar.

Nota Pública

OUTRAS NOTÍCIAS

Alerta: “A PEC 32 vai promover o desmonte do serviço público”

Na abertura do Congresso do IEDF, presidente da Fenapef defende humanização das forças policiais

Saúde mental de policiais durante a pandemia é tema de debate na Câmara

Presidente da Fenapef é um dos autores do livro ‘Prevenção: Instrumento e Fraternidade’