Com apoio da Fenapef, deputado Hugo Leal apresenta PDL para derrubar Decreto que desvincula aposentadorias e pensões de servidores dos órgãos de origem

Entidades entendem que a centralização burocratiza e dificulta a concessão e gestão de aposentadorias e pensões

Fonte: Comunicação Fenapef

Data: 19/02/21

O deputado Hugo Leal (PSD/RJ) apresentou, nessa quinta-feira (18), Projeto de Decreto Legislativo (PDL 76/2021) que pretende barrar o Decreto nº 10.620, de 5 de fevereiro de 2021, que tira a gestão de pensões e aposentadorias de servidores da Polícia Federal e outros órgãos da administração pública dos respectivos órgãos de origem e transfere essa atribuição para o Ministério da Economia e o INSS.

A construção do PDL contou com a participação direta da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e do Sindicato dos Servidores da Polícia Federal no Rio de Janeiro (SSDPFRJ). As duas entidades consideram que o decreto é uma ameaça ao Regime Jurídico Único.

O decreto do governo prevê que não apenas servidores da PF, mas funcionários de autarquias, institutos e fundações federais (como universidades, Banco Central, Fundação Palmares ou Ibama) passarão a ter as aposentadorias geridas não mais pelos órgãos de origem, mas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e pelo Ministério da Economia.

O vice-presidente da Fenapef e do SSDPFRJ, Luiz Carlos Cavalcante, explica que isso geraria grande impacto no momento da concessão das aposentadorias, que deixariam de ser requisitadas nas superintendências estaduais e precisariam ser requeridas junto aos novos gestores, em Brasília, tornando o processo mais lento e burocratizado. “Além disso, aumentaria a possibilidade de vazamento dos dados pessoais de policiais federais, que não deixam de correr riscos e ameaças quando se aposentam”, lembrou Cavalcante.

A estratégia do governo também vai aumentar as filas de concessão de benefícios, já saturadas atualmente pela alta demanda.
Na justificação do projeto, o deputado Hugo Leal diz que o Decreto “impõe, de forma autoritária e unilateral, diversas medidas contrárias ao interesse dos beneficiários, assim como altera a dinâmica da gestão pública relacionada à previdência dos servidores públicos, mesmo diante da tramitação da Proposta de Emenda Constitucional da Reforma Administrativa”.

O deputado Hugo Leal diz ainda que o Executivo ultrapassou funções do Congresso ao editar o Decreto n° 10.620/2021, porque a alteração que ele determina deveria estar expressa em Lei Complementar.

Leia a íntegra do Projeto
https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2270426

OUTRAS NOTÍCIAS

Policiais Federais e PRFs articulam criação de Regime Jurídico específico com deputado Nicoletti

Fenapef luta para evitar que "PEC Emergencial" congele futuros reajustes, progressões e promoções

Eleições para nova diretoria da Fenapef e Conapef: momentos decisivos neste ano

Fenapef e Sinpef/MG promovem rodada de reuniões para retomada de ações sindicais