PF e Receita pegam quadrilha que fraudou R$ 380 mi em restituições de IR

9 de setembro de 2016

2016-09-09-photo-00000016-620x350A Polícia Federal, em ação com a Receita Federal do Brasil, deflagrou nesta sexta-feira, 9, a Operação Ablacto contra fraudes em declarações de Imposto de Renda Pessoa Física. A investigação mira em restituições fraudadas em um total de R$ 380 milhões.

As restituições eram obtidas, segundo a Federal, após declarações de despesas forjadas com educação, consultas médicas, odontológicas, pensões alimentícias e criação de dependentes fictícios. Como essas despesas são dedutíveis da base de cálculo do imposto, os valores a serem restituídos eram aumentados, com prejuízo à União. O escritório de contabilidade responsável pela fraude cobrava um percentual das restituições pagas aos contribuintes, para realizar seus serviços.

Na Ablacto, 30 policiais federais e 8 servidores da Receita Federal cumpriram oito mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo e Peruíbe, todos expedidos pela 3ª Vara Criminal Federal de São Bernardo do Campo.

O inquérito policial teve início em agosto de 2016, após a Receita Federal informar à Polícia Federal que cerca de 22 mil declarações de imposto de renda teriam sido fraudadas, todas utilizado o mesmo escritório de contabilidade.

A investigação identificou diversos contribuintes, especialmente trabalhadores de indústrias automobilísticas com sede na região do ABC, que se valiam dos serviços de um único escritório de contabilidade sediado na capital paulista, com o fim de criar ou aumentar indevidamente restituições de imposto de renda.

As restituições fraudadas serão suspensas pela Receita Federal, que também poderá autuar os investigados em sede administrativa, sem prejuízo de outros desdobramentos da operação referentes à responsabilização criminal dos envolvidos.

Os investigados tiveram todos os bens bloqueados a pedido da Receita Federal e responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica, estelionato e associação criminosa.



Outras notícias