Daiello fica no comando da PF

18 de setembro de 2017

Em meio a pressões do PMDB para a troca de comando na Polícia Federal, o diretor-geral da corporação, Leandro Daiello, aceitou ontem o pedido feito pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, e permanecerá por mais um período à frente da instituição.

“Fiz o convite e ele aceitou”, disse Torquato ao Estado. Questionado sobre o prazo de sobrevida de Daiello, o ministro da Justiça afirmou que o delegado ficará “o tempo que for necessário” para consolidar o trabalho realizado. A manutenção de Daiello no cargo ocorre no momento em que o presidente Michel Temer e outros políticos de peso do PMDB — incluindo ministros, senadores e ex-deputados — são alvos da Lava Jato e de ações da Polícia Federal.

“Pedi para ele ficar porque temos vários projetos em andamento. Precisamos dar continuidade à preparação da nova Política Nacional de Segurança Pública e à modernização da Polícia Federal com mais atuação em tecnologia e internacional. Não me pareceu adequado que o diretor-geral da Polícia Federal se afastasse agora”, afirmou o ministro da Justiça, sem falar sobre a Lava Jato.

Daiello sairá de férias por duas semanas e, depois, retomará suas funções à frente da PF, cargo que ocupa desde janeiro de 2011. O acerto entre ele e Torquato foi feito ontem, em Araxá (MG).

A pressão do PMDB para o ministro substituir o comando da PF aumentou nas últimas semanas, após a ação que resultou na descoberta do “bunker” do ex-ministro Geddel Vieira Lima, com R$ 51 milhões. Além disso, o Palácio do Planalto também não escondeu a irritação com o “vazamento” de um relatório da Polícia Federal sobre o chamado “quadrilhão do PMDB”.

As conclusões do inquérito serviram de base para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar nova denúncia contra Temer, desta vez por organização criminosa e obstrução da Justiça.

NEGOCIAÇÕES

As negociações para a troca de direção na PF estavam sendo feitas entre Torquato e o próprio Daiello desde que o ministro assumiu a pasta, no fim de maio. Alegando estar cansado, o diretor-geral da PF — que é responsável pelas principais investigações de combate à corrupção — pôs o cargo à disposição e disse que iria se aposentar.

Nas conversas, Daiello optou por não indicar um sucessor, mas sugeriu a escolha de um nome da atual diretoria ou um delegado com experiência e bom trânsito dentro da corporação.

O nome mais cotado era o de Rogério Galloro, número 2 de Daiello, que chegou a ser fotografado em um almoço com Torquato e o diretor-geral. Ao Estado, o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral, defendeu Galloro, mas afirmou que, nesse momento, o correto é mesmo a permanência de Daiello.

“Há muita especulação sobre a troca, mas, nesse ambiente de grande instabilidade política, é razoável que o atual diretor permaneça para a continuidade das investigações que estão em andamento”, argumentou Sobral.

Além de Galloro, Torquato havia dito, em entrevista, que outros dois delegados estariam cotados para a sucessão. O Estado apurou que um deles era o ex-superintendente da PF no Maranhão, o delegado Fernando Segovia. Na PF, o  delegado enfrentava resistências para ocupar o posto por causa da relação com o ex-presidente José Sarney. Nos bastidores, Segovia era visto como o nome que o PMDB queria indicar para a vaga de Daiello.

O presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), negou a pressão para emplacar alguém ligado ao partido no comando da Polícia Federal. “Não há nenhuma indicação do PMDB. A Polícia Federal é um cargo de confiança do presidente da República e do Ministério da Justiça e tem de ser levada em conta a meritocracia da instituição”, disse Jucá.

Nos bastidores, porém, auxiliares de Temer e a cúpula do PMDB avaliam ser preciso esvaziar o que os investigados da Lava Jato classificam de “investigações midiáticas”.

A expectativa no Planalto é a de que Raquel Dodge, sucessora de Rodrigo Janot, faça uma espécie de “auditoria” no Ministério Público e arquive ações consideradas “políticas” pelos peemedebistas. Raquel assumirá o cargo na próxima segunda-feira. O governo também traçou uma estratégia para transformar a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) da JBS em um palanque para desmoralizar a segunda denúncia de Janot contra Temer.

Fonte: Estadão



Outras notícias