Cúpula do Museu Nacional vai exibir números da Segurança Pública durante Congresso da Fenapef

17 de novembro de 2017

A cúpula do Museu Nacional da República, em Brasília (DF), vai exibir números que revelam a dimensão da crise de segurança pública brasileira. Nos dias 21 e 22 de novembro, das 19h às 22h, uma projeção mapeada vai mostrar a quantidade de homicídios, estupros e roubos registrados no Brasil por ano; o impacto da violência para a economia do país e outros dados que reforçam a ineficiência do modelo policial brasileiro.

A ação ocorre no âmbito do 1º Congresso de Jornalismo e Segurança Pública, realizado na data sob coordenação da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e do Sindicato dos Policiais Federais do Distrito Federal (Sindipol/DF). Durante os dois dias, as entidades vão reunir policiais federais, especialistas, jornalistas, pesquisadores, estudantes e sociedade civil para discutir os desafios e perspectivas do setor.

Segundo o presidente da Fenapef, o objetivo da ação é inserir a segurança pública na agenda de debates nacional e conscientizar a sociedade de que ela precisa acompanhar o setor e cobrar dos parlamentares ações efetivas, que de fato contribuam para a modernização da Segurança Pública.

“Os mais de 61,5 mil assassinatos cometidos em 2016 no país equivalem ao número de mortes provocadas pela explosão da bomba nuclear que dizimou a cidade de Nagasaki, no Japão, durante a Segunda Guerra Mundial. Enquanto isso, o País continua insistindo em um modelo de segurança pública que não encontra paralelo em nenhum lugar do mundo”, destacou o presidente da Fenapef, Luís Boudens.

As informações projetadas são do Forúm Brasileiro de Segurança Pública (FBSP); Confederação Nacional da Indústria (CNI); e Tribunal de Contas da União e foram levantados no período de 2013 a 2017.

Programação do 1º Congresso de Jornalismo e Segurança Pública

O 1º Congresso de Jornalismo e Segurança Pública vai receber nomes importantes como o do presidente do Forúm Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), Renato Sergio de Lima, e do fundador do Grupo de Ações Táticas Especiais da Polícia Militar (GATE) e professor da USP, Diógenes Lucca.

Também estão previstos debates com os policiais Eliel Teixeira, da Polícia do Condado de Los Angeles (EUA), e Rob Salomão, da Polícia Real Montada do Canadá, sobre o modelo de investigação brasileiro; além de jornalistas que se destacaram na cobertura da Lava-Jato e da crise de Segurança Pública em 2017.

O evento é aberto ao público. As inscrições para participar podem ser realizadas até o dia 20/11, no site www.fenapef.org.br/congresso.

 



Outras notícias