Afronta à democracia na Polícia Federal Potiguar

27 de Abril de 2017

O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Norte (Sinpef/RN), José Antônio Aquino da Silva, começou a cumprir, nesta segunda-feira (24) punição arbitrária de dois dias de suspensão administrativa na Polícia Federal.

De acordo com o presidente, a punição é um “flagrante da exacerbação do respeito à liberdade de atuação sindical”.

Em nota, Aquino afirma que foi punido mesmo a Comissão do Processo Administrativo Disciplinar, após meses de trabalho ter concluído, por unanimidade, que o Fato do qual foi acusado não existiu. “O Procedimento Administrativo não se justifica porque eu estava gozando de meu direito de greve, portanto jamais estive atuando, no momento citado pela acusação, como servidor público e sim, enquanto Presidente do Sindicato”.

A justificativa para a punição do presidente foi desrespeitar superior hierárquico, mas ele alega que conforme documento oficial da própria Superintendência, o acusador não compunha a escala hierárquica a que ele estava submetido. “Arbitrária e espuriamente a corregedoria em uma atitude deplorável modificou o artigo, que emoldurou a punição, trocando a expressão “superior hierárquico”, apenas para justificar a punição”, afirma.

O presidente do Sinpef/RN termina a nota afirmando que atitudes como essas não vão parar o trabalho sindical exercido pelos agentes de polícia federal. “Por fim, se os déspotas que tomaram essa decisão esperam que nos assustemos e nos calemos, saibam que estão redondamente enganados. Essas posturas arbitrárias e antidemocráticas só nos dão força, apesar da imensa sensação de revolta, para seguirmos em frente em busca da necessária reforma das Polícias no Brasil.

Buscaremos na justiça a reparação ao profundo dano psicológico e financeiro a que estamos sendo submetidos, bem como responsabilizar toda a turba envolvida nessa absurda perseguição”, garante.


Sinpef/RN

Outras notícias