Policial Federal aposentado lança livro

Data: 2013-11-04 17:08



 

Alberto Barros da Rocha Junior, vulgo Pipa Voada ou Junior Dalberto, é escritor, dramaturgo e diretor artístico na cidade de Natal/RN.  Entretanto, a vida artística não foi sua única ocupação durante a vida. Até 2010, o então conhecido como APF Barros trabalhou na Policia Federal, e dentro dela, passou por várias cidades como Rio de Janeiro e Recife.

 
Agora, aposentado, realiza o seu grande sonho de criança de seguir carreira no universo da literatura e da arte. Com dois livros de grande sucesso já publicados, que inclusive já ganharam os palcos, Junior Dalberto acaba de lançar, em Natal, o seu terceiro livro “Cangaço e o Carcará Sanguinolento”, uma coletânea de contos.

 
No evento de lançamento do livro, ele foi prestigiado pela Federação Nacional dos Policiais Federais, através do Diretor de Relações do Trabalho Alexandre Ferreira, e por vários amigos e colegas de trabalho. Em entrevista, ele nos contou como sua vivência no DPF serviu como fonte de inspiração para seus livros e enfatiza: “é possível após uma carreira digna dentro da PF, fazer da aposentadoria um meio de se fazer o que gosta e divertir-se com vida”.

 

Quais lições aprendidas na PF te influenciaram, ou até inspiraram na veia artística de escritor, produtor e dramaturgo?
 

Foram muitas as lições aprendidas em trinta anos de serviço por esse Brasil afora: conheci lugares, costumes e culturas em todos os recantos do país onde estive trabalhando pelo DPF e descobri, através do convívio  com colegas em situações extremas, delicadas, de riscos de vida ou simplesmente inusitadas, que o homem não é necessariamente o lobo do homem.

 
Durante meu período de Agente de Polícia Federal no DPF, trabalhei convivendo com colegas novos  e “antigões”, cercados de valores éticos, morais, grandes exemplos de coragem na nossa dura tarefa diária contra o crime. Dessa lição não fica difícil criar personagens bons inspirados na própria instituição. Nessa batalha contra o crime, também me deparei com "bandidos de sangue frio, assassinos cruéis" - como no período que trabalhei no Rio de Janeiro - (Primeira lotação e na "Papudinha do Acre". Galera de Hildebrando Paschoal e Cia). Claro que mesclo um pouco com minha criatividade para dar mais tempero aos leitores. Vivi histórias e situações reais, algumas divertidas, outras complicadas. Tudo serve de inspiração para minha literatura e dramaturgia.

 
 
Hoje a PF vive uma crise de identidade, onde um modelo arcaico de polícia entra em choque com novos policiais com formação acadêmica. Qual a sua visão sobre essa fase difícil que o órgão enfrenta?
 

Eu acredito profundamente em mudanças, como também creio no potencial da experiência adquirida com os erros do passado. Acho que a receita de uma coexistência pacífica seria a união dos valores em prol de um novo DPF, mais ágil, técnico e profissional. Temos grandes valores dentro da Polícia Federal independente de cargos. Acredito que sairemos numa situação bem melhor dessa crise.


Uma das metas da atual gestão da Fenapef é promover um programa de preparação para a aposentadoria, em parceria com a administração da PF. Quais os seus conselhos para quem está prestes a se aposentar ou já se aposentou?
 

Sou totalmente favorável a esse programa, eu pessoalmente tracei metas na minha vida, sempre escrevi minhas "histórias e contos" nos meus períodos livres, só não os publicava. Aguardava a hora certa da aposentadoria para investir em uma  carreira em que eu sempre acreditei. Graças a Deus está dando certo. Em três anos após aposentado, escrevi e publiquei dois livros que se encontram esgotados com aprovações de críticos e público. Peças de teatros, direções musicais, etc. (Acesse o www.junior-dalberto.blogspot.com e conheça um pouco dessa nova carreira). Agora, lanço um novo livro de contos "Cangaço e o Carcará sanguinolento" dia 01 de novembro nas Livrarias Saraivas em Natal.


O conselho que sempre falo para os colegas que pretende se aposentar é: Está preparado? Vai fazer o que? Tem que ter o tempo ocupado com algo que o incite a seguir produzindo, desenvolver novas aptidões, sentir-se útil. Ouse! Proporcione novas descobertas que o faça sentir-se vivo. Se não está preparado para mudanças, continue trabalhando no DPF, siga até a compulsória, mas trabalhe, o trabalho dignifica, dá qualidade de vida. Aposentar-se e não produzir, não vai fazer bem a saúde.


Qual o seu recado para os policiais federais de todo o país?

 
Tenho orgulho de pertencer aos quadros do DPF, sinto-me honrado  e grato a Deus por um dia haver passado em um concurso e ser agraciado com o cargo de Agente de Polícia Federal e ter convivido com tantos bons colegas que se transformaram em amigos leais. Também me orgulho de ser um dos fundadores do Sindicato de Polícia Federal. O recado que deixo é: "A luta continua. Amigos,acreditem! Melhores dias virão."

 

OUTRAS NOTÍCIAS

“Imputação Criminal Preliminar e Indiciamento”, por Johnny Guimarães

Para conscientizar crianças, agente de polícia federal lança livros...

Agente da Polícia Federal lança livro religioso para reflexão de casais

Livro de agente fala sobre as Interceptações telefônicas e o Processo...