Pesquisa Nacional revela uma Polí­cia Federal doente

12 de julho de 2013

Entre os dias 06 e 11 deste mês, a Federação Nacional dos Policiais Federais – Fenapef – realizou uma pesquisa sobre o ambiente organizacional na sua base de sindicalizados, e utilizou um sistema extremamente confiável, baseado no envio de mensagens eletrônicas individualizadas e criptografadas.

A entidade está preocupada com os alarmantes índices de doenças psíquicas, desmotivação, e até suicídios na grande base de agentes, escrivães e papiloscopistas, policiais federais de nível superior desde 1996.

O resultado da pesquisa é surpreendente, e se revela como sintoma de uma péssima gestão de recursos humanos, que privilegia somente os cargos de delegado e perito, enquanto segrega as demais categorias dos cargos de chefia e das oportunidades de crescimento e reconhecimento profissional.

Considerando o efetivo de servidores, e que houve 2360 participantes, estatisticamente a margem de erro do resultado da pesquisa em relação a todo efetivo de agentes, escrivães e papiloscopistas é somente de 2%. E os dados são incontestáveis, refletem um ambiente de trabalho doente, e serão comunicados oficialmente aos órgãos responsáveis.

A pesquisa comprova que a Polícia Federal e seus péssimos gestores transformaram o sonho profissional de milhares de brasileiros num terrível pesadelo. Contexto explica por que mais de 250 policiais federais deixam a PF anualmente em busca de carreiras mais valorizadas.



Outras notícias