Operação da PF tem recorde de presos em flagrante por pornografia infantil

27 de julho de 2010
 
 

A Operação Tapete Persa, iniciada na manhã desta terça-feira pela Polícia Federal (PF) em nove Estados e no Distrito Federal, prendeu 20 pessoas em flagrante por porte de material envolvendo pornografia infantil até as 15h30 de hoje. A quantidade de prisões em flagrante é um recorde para operações do tipo feitas pela PF no País. Além das 20 prisões – que também foram decretadas por porte ilegal de armas e drogas -, a PF indiciou outras três pessoas, que não estavam no local na hora que as equipes da Polícia Federal realizavam as buscas.

 

 

De acordo com Marcelo Bórsio, do grupo especial de combate aos crimes de ódio e pornografia infantil da PF, as equipes já executaram pouco mais da metade dos 81 mandados de busca e apreensão expedidos nesta terça. Os mandados serão cumpridos em 54 cidades. Somadas as penas, os condenados podem pegar até 15 anos de prisão.

 

 

"Nessas prisões efetuadas hoje, constatamos que entre 25% e 30% dos presos, além de possuir e distribuir o material, também praticavam os abusos contra as crianças ou conheciam quem praticava. As prisões abrangem desde menores de 18 anos, em quem foi aplicado um ato infracional, até idosos, incluindo um ex-coronel da PM. Essas pessoas também podem ser indiciadas por estupro de vulnerável", disse.

 

 

Segundo Bórsio, o Brasil é o quarto país que mais distribui pornografia infantil, atrás apenas da Alemanha, Espanha e Inglaterra.

 

 

O delegado-chefe do grupo especial de combate aos crimes de ódio e pornografia infantil da PF, Stênio Santos, as fotos, imagens e vídeos apreendidos em casas e memórias de computador mostram abusos sexuais contra crianças e até bebês. "São imagens degradantes. Para nós, é um marco negativo, gostaríamos que não houvesse prisões. Parece que há menos humanidade no mundo. Nos espanta a facilidade com que isso tem se propagado na internet. Mas a operação continua em andamento e vamos fazer mais ao longo deste e dos próximos anos", afirmou.



Outras notícias