Grupo procurou prefeitos de 7 partidos

27 de novembro de 2009
 

As conversas gravadas pela DAS mostram supostos pagamentos das empresas da merenda para prefeituras de sete partidos políticos (PT, PMDB, PR, DEM, PDT, PPS e PSDB). As principais conversas envolvem três pessoas ligadas à empresa Verdurama: Genivaldo Marques dos Santos, o Tiquinho, sócio da empresa até o ano passado; o financeiro Marco Antônio Tressoldi; e Luiz Cezar Gonçalves, um gestor contratado.

Em 3 de setembro, Tiquinho conversa com o "dr. Luiz". Este diz que "Heloísio tá tentando falar com o Fuad de Carapicuíba". Tiquinho responde: "O prefeito de Carapicuíba". E o doutor completa: "Eu vô tentar pagar alguma coisa para o secretário, pra não explodir lá também. Eu queria falar com você mais tarde, quando eu chegar, ou amanhã cedo. Eu tô com cem paus lá de Barueri que nós não fizemos recibo de 150."

Fuad Chucre (PSDB) foi prefeito de Carapicuíba de 2001 a 2008. Ele negou qualquer irregularidade. "Foi um contrato como outro qualquer. Que eu saiba não houve nenhum problema com a empresa", disse.

Mais tarde, no mesmo dia, às 15 horas, Tiquinho e dr. Luiz voltam a se falar. "O Heloísio mandou levar 45 paus pra Caraguá", diz Tiquinho ao dr. Luiz. "Tenho que dar 40 paus em Santana do Parnaíba, nós tamos devendo 130", diz Tiquinho. Heloísio Gomes Durães é o dono da maior empresa de merenda terceirizada do País, a SP Alimentação. Ele é citado em dez conversas, até mesmo pelo nome completo – em diálogo ocorrido em 12 de setembro, às 11h06.

Nas conversas fica claro que os suspeitos tentaram se aproximar de candidatos a prefeito em Carapicuíba e em São Carlos. Nessa última, dizem que vão encomendar uma pesquisa. Tiquinho diz então para suspender o pagamento na cidade. "Segura que tá perdendo lá, viu."

Os investigados mostram que usam contas bancárias de seis instituições financeiras – Bradesco, Indusval, Daycoval, Safra, BIC e BMG. Elas revelam a insatisfação com a qualidade da merenda fornecida em Ubatuba, Porto Ferreira, Pindamonhangaba, Araçariguama, Monte Mor (em São Paulo) e em Volta Redonda (RJ).

De posse de todo esse material, o promotor de Justiça Orion Pereira Costa determinou o envio de cópias para os promotores de todas as cidades citadas para a apuração de "eventuais crimes". No próximo dia 11, Gonçalves e Tressoldi estão intimados para serem ouvidos no primeiro inquérito, aberto pela Delegacia de Caraguatatuba.



Outras notícias